A guerra de classes na pandemia

Por
Joe Bilsborough

Tradução
Tatiana Roveran

A pandemia global arrastou cerca de 500 milhões de pessoas para a extrema pobreza, enquanto os mais ricos adicionaram US$ 3,9 trilhões às suas fortunas. A Covid-19 não é uma crise que afeta todos nós igualmente – é uma guerra de classes.

Tribune Magazin / Reprodução

Nossa segunda edição impressa “Derrubem este muro!” já está disponível. Adquira a sua revista em nosso plano anual ou compre ela avulsa.

Contra o pano de fundo do Reino Unido alcançando a marca trágica e deprimentemente evitável de 100.000 mortes por coronavírus, esta semana vimos o lançamento de um relatório da Oxfam –  O Vírus da Desigualdade – que revela a turbulência socioeconômica agravada pelo coronavírus, aumentando-se as fissuras de uma economia global já intensamente desigual. Em suma, esta crise tornou os ricos de grande magnitude mais ricos, enquanto milhões dos mais pobres globalmente foram empurrados para a miséria.

Para os mais ricos, esta crise acabou – e em tempo recorde. Demorou cinco anos, após o crash de 2008, para a riqueza bilionária atingir seu pico anterior, mas desta vez levou apenas novemeses para os 1.000 bilionários mais ricos do mundo recuperarem toda a riqueza que perderam nos primeiros lockdowns. Na verdade, como observa o relatório da Oxfam, um indicador revelador para onde estamos indo é a notícia de que estamos tendo vendas recordes de jatos particulares.

Para os mais pobres, não há luz no fim do túnel: as estimativas sugerem que entre 200 e 500 milhões de pessoas em todo o mundo foram empurradas para a pobreza extrema; e que pode levar mais de uma década para que os mais pobres do mundo se recuperem desta crise. Na verdade, a medida que um nacionalismo vacinal epidemiologicamente incoerente e moralmente abominável se instala, até mesmo obter acesso à vacina é agora uma questão de intensa desigualdade.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) já alertou que enfrentamos uma “falha moral catastrófica” à medida que a desigualdade da vacina em nível internacional se aprofunda, com pesquisas recentes sugerindo que as nações em desenvolvimento podem ter que esperar até 2024 para obter a vacinação completa. Algumas dessas nações podem nunca chegar a este ponto.

Tudo isso fala para um acordo político-econômico que está profundamente quebrado: entregar as mercadorias para um grupo cada vez menor no topo; oferecendo uma miséria cada vez maior para aqueles que estão na base. Embora o acesso equitativo à vacina não deva ter como premissa o interesse próprio das nações ricas, é surpreendente que – ao não apoiar as nações em desenvolvimento nos esforços de vacinação – as nações mais ricas devem alcançar suas próprias recuperações econômicas.

Investigando os detalhes do relatório da Oxfam, as descobertas são duras. O aumento da riqueza dos dez bilionários mais ricos desde o início da crise é suficiente para evitar que alguém caia na pobreza por causa do coronavírus, além de poder pagar vacina para todos no planeta. Jeff Bezos – que ganhou US$ 13 bilhões em um único dia no ano passado, quando o preço das ações da Amazon disparou – poderia ter pago a cada funcionário da Amazon (876.000 pessoas) um bônus de US$ 105.000 e ainda permanecer tão rico quanto antes da pandemia. Entre 18 de março e o final de 2020, a riqueza dos bilionários aumentou globalmente em US$ 3,9 trilhões. Para colocar isso em perspectiva, sua riqueza total – quase US$ 12 trilhões – é equivalente à quantia que os governos do G20 gastaram para responder à pandemia.

Como parte de sua pesquisa, a Oxfam entrevistou cerca de 300 economistas de 79 países: a maioria acha que desigualdade de gênero, renda, riqueza e raça estão prestes a aumentar. Eles estão naturalmente interconectados e evidentemente em seu nível mais extremo no nível global.

Entre as economias desenvolvidas, no entanto, o Reino Unido se sente cada vez mais numa tentativa quase aceleracionista de elevar a desigualdade a um nível quase insuportável. Como os colaboradores da Tribune notaram ao longo desta crise, a economia política da Grã-Bretanha está destruída por níveis de desigualdade profundosarraigados e extremamente prejudiciais que estão sendo exacerbados a cada passo por uma mistura tóxica de ideologia governamental e intransigência.

Claro, essas tendências – tanto em nível global quanto doméstico – não são inevitáveis. Uma pré-condição para sua oposição, no entanto, é que o conhecimento sobre a escala dessas desigualdades – conforme encontrado no relatório da Oxfam – precisa ser disseminado, e os métodos para desfazê-las popularizados. Claro, no Reino Unido é mais fácil falar do que fazer: já escrevi para esta revista que a política britânica é excepcionalmente ruim – por causa de uma guarda jornalística pretoriana que protege o triste Boris Jonhson de quaisquer consequências do desastroso número de mortos no Reino Unido e as invocações cada vez mais perturbadas de que tudo isso teria sido muito pior com Jeremy Corbyn no comando representam apenas os últimos pontos negativos de uma mídia cada vez mais dedicada a defender o Partido Conservador.

É neste contexto que devemos procurar formular estratégias e narrativas que nos livrem desta crise, que nos preparem para as crises que se aproximam e lancem as bases para uma economia genuinamente democrática e equitativa. Tawney chamou a Grã-Bretanha de “a plutocracia mais dura do mundo” na década de 1930 – responder a esses desafios está longe de ser uma novidade para a esquerda britânica. O que é novo, no entanto, é uma liderança trabalhista respondendo a uma crise geracional com tanta indiferença.

Após a Segunda Guerra Mundial, o Partido Trabalhista não se desculpou ao argumentar que a turbulência econômica entre as guerras era resultado da “concentração de muito poder econômico nas mãos de poucos homens”. De fato, mesmo sob Tony Blair, o Trabalhismo implementou um imposto sobre o lucro inesperado nas indústrias privatizadas – algo, crucial, que o partido vinha defendendo nos cinco anos anteriores às eleições de 1997.

Comparar as propostas do Partido Trabalhista de hoje com as recomendações pedidas pela Oxfam para garantir uma recuperação equitativa do coronavírus é um exercício, no entanto, decepcionante. Uma das medidas que a Oxfam observa é um imposto sobre grandes fortunas, como o o que foi recentemente introduzido na Argentina: uma pesquisa divulgada em dezembro mostra que tal imposto no Reino Unido poderia arrecadar £ 260 bilhõesNão está claro, entretanto, qual é a posição do Partido Trabalhista nessa questão. Em algumas ocasiões, o partido rejeitou tal curso; em outras, deu o que generosamente pode ser lido como apoio morno, mas sem qualquer convicção real: “Estamos dizendo ao governo para olhar para a ideia do imposto sobre a fortuna […] Mas, nesta fase, quatro anos antes das eleições, não vamos começar a definir [nosso] regime tributário.”

Os contornos de uma social-democracia contemporânea desprovida de conteúdo são necessariamente sombrios: bandeira e família podem ressoar em grupos específicos, mas – ao contrário da narrativa de “os adultos estão de volta no comando” – continua sendo uma estratégia fundamentalmente arriscada colocar um advogado capitalista do realismo contra a fantasia nacionalista em tempos de crise intensa.

O que o relatório da Oxfam deixa claro é a magnitude deste momento – um período com o “potencial de levar a um aumento da desigualdade em quase todos os países de uma só vez, a primeira vez que isso aconteceu desde que os registros começaram”. O Partido Trabalhista precisa responder em conformidade. Qualquer coisa menor não é apenas um abandono moral, mas também um erro estratégico desastroso que permite que o futuro para o período pós-pandêmico seja definido por uma direita insurgente e cada vez mais descarada.

Ao concentrar seus ataques até agora na competência, os trabalhistas se deixaram reféns da sorte. Ataques forenses a um primeiro-ministro desajeitado podem receber aplausos quando a nação é mergulhada em repetidos bloqueios, mas essa linha de ataque parece decididamente menos convincente em um ponto em que o Reino Unido é um verdadeiro líder mundial na vacinação de sua população.

As desigualdades retratadas no relatório da Oxfam não podem ser ridicularizadas como abstrações esquerdistas ou vôos da fantasia corbynianas: esta é a realidade do mundo que o neoliberalismo moldou e o coronavírus exacerbou. Falhar em definir uma resposta para as desigualdades tanto globais quanto domésticas afetadas por esta crise representaria uma falha histórica.

Plano Jacobino

Assine a Jacobin e receba em sua casa nossas edições impressas.

Fonte

Please follow and like us:

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *