Provocações Teológicas

Simul justus et peccator

Ciências

Cientistas fazem novo apelo por liderança ética global diante da pandemia

Cientistas fazem novo apelo por liderança ética global diante da pandemia

Após carta enviada à Organização das Nações Unidas em 21 de abril, com mais de 120 entidades instando a agência a convocar uma “Força-Tarefa pela equidade global em saúde” com o dever de exercer uma liderança global para resposta à pandemia, cientistas publicaram um novo texto na revista científica The Lancet.

A reportagem é de Pedro Martins, publicada por Associação Brasileira de Saúde Coletiva – Abrasco, 18-05-2020. 

Coordenador do Centro de Relações Internacionais em Saúde da Fundação Oswaldo Cruz (Cris/Fiocruz), o abrasquiano Paulo Buss é um dos autores da nova carta que reafirma a necessidade de liderança ética global diante da pandemia apontando que “as pessoas desfavorecidas têm maior risco de infecção e morte por Covid-19 e têm menos acesso aos cuidados devido a sistemas que tratam a saúde como uma mercadoria e não como um direito humano”.

No documento, intitulado “Iniquidade em saúde durante a pandemia do COVID-19: um apelo pela liderança ética global“, os cientistas também denunciam que “apesar de atos de solidariedade generalizados, estamos testemunhando estoques inescrupulosos de países ricos e tentativas de muitos de obter lucros da crise”. O texto ainda retoma todo o histórico de propostas da carta de 21 de abril, como, por exemplo, a necessidade de promover medidas para fortalecer os sistemas universais de assistência à saúde em todo o mundo.

Confira o texto na íntegra

Leia um trecho do texto:

Iniquidade em saúde durante a pandemia do COVID-19: um apelo pela liderança ética global

Relatórios amplos de impacto desproporcional da pandemia do COVID-19 entre comunidades já vulneráveis ​​em todo o mundo, da cidade de Nova York a Nova Orleans e Chicago, às imagens chocantes de corpos nas ruas do Equador, representam um prelúdio do impacto na população de baixa renda e países de renda média, onde vive mais de 80% da população mundial. As pessoas desfavorecidas têm maior risco de infecção e morte por COVID-19 e têm menos acesso aos cuidados devido a sistemas que tratam a saúde como uma mercadoria e não como um direito humano. Além disso, a maioria dos sistemas de saúde não está preparada para lidar com uma pandemia dessa magnitude. Os sistemas oprimido da Europa e dos EUA são lembretes ameaçadores dos desafios enfrentados nos países pobres.

Apesar de atos de solidariedade generalizados, estamos testemunhando estoques inescrupulosos de países ricos e tentativas de muitos de obter lucros da crise. A acumulação e a especulação devem ser condenadas nos termos e medidas mais fortes adotados globalmente para garantir acesso equitativo aos países com menos recursos.

Fonte: http://www.ihu.unisinos.br/599074-cientistas-fazem-novo-apelo-por-lideranca-etica-global-diante-da-pandemia

Please follow and like us:

Share this post

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.