A extrema direita está à solta em Israel

Por
Ariel Gold

Tradução
Cauê Seignemartin Ameni

Israelenses ultranacionalistas, seguidores do rabino Kahane, cujo grupo foi classificado como organização terrorista até mesmo pelos EUA, marcharam em Jerusalém gritando “morte aos árabes” antes do atual conflito eclodir. A ascensão do sionismo de extrema direita é preocupante em um país que já estava saturado dela.

Em 22 de abril, as forças de segurança israelenses entraram em confronto com manifestantes palestinos enquanto membros do grupo judeu de extrema direita Lehava incendiavam as ruas de Jerusalém. (AHMAD GHARABLI / AFP via Getty Images)

Nossa segunda edição impressa “Derrubem este muro!” já está disponível. Adquira a sua revista em nosso plano anual ou compre ela avulsa.

Depois que os neonazistas marcharam em Charlottesville, Virgínia, e o presidente Donald Trump respondeu dizendo que havia “gente boa de ambos os lados”, pessoas que abominam a supremacia branca se levantaram e condenaram os manifestantes. Os antirracistas fariam o mesmo em relação à marcha de extrema direita que ocorreu no começo de maio em Jerusalém.

A situação em Jerusalém começou com confrontos entre palestinos e forças israelenses após as restrições impostas à entrada do Portão de Damasco para a Cidade Velha. Então, em resposta aos vídeos do TikTok mostrando dois jovens palestinos dando um tapa em um judeu ultraortodoxo, o grupo judeu de extrema direita Lehava convocou uma “manifestação de dignidade nacional”. Mensagens de WhatsApp vazadas do grupo revelaram intenções de linchar palestinos.

Enquanto os extremistas judeus israelenses marchavam pelas ruas na quinta-feira, 22 de abril, as forças israelenses dispararam balas de aço revestidas de borracha contra os palestinos. As observações de uma jovem judia ortodoxa viralizou nas redes sociais: “Não quero queimar suas aldeias, só quero que você saia ou pegaremos a força” Em sua camisa havia um adesivo dizendo “Rabino Kahane está certo”, referindo-se ao falecido rabino ultranacionalista cujo grupo foi colocado na lista de terroristas dos Estados Unidos em 2004.

Cento e cinco palestinos ficaram feridos, vinte e dois precisando de hospitalização. Vinte policiais israelenses também ficaram feridos. Na manhã seguinte, o ministro da segurança de Israel, Amir Ohana, divulgou um comunicado condenando “ataques de árabes”. Ele não disse nada sobre a violência cometida pelos judeus.

O porta-voz do Departamento de Estado dos EUA, Ned Price, condenou a “retórica dos extremistas”. No entanto, a embaixada dos EUA em Jerusalém disse que eles estavam “profundamente preocupados” e evitou dizer algo contra extremismo judaico.

Avi Mayer, do Comitê Judaico Americano, tuitou: “Os indivíduos que cometem [violência] são tão estranhos para mim e meu judaísmo quanto skinheads, supremacistas brancos e outros racistas ao redor do mundo”. Mas aqueles que gritavam “Morte aos árabes” em Jerusalém são uma parte normalizada e aceita de Israel.

Os membros do Lehava, o grupo que organizou a marcha extremista em Jerusalém, são seguidores do Kahanismo, uma ideologia supremacista judaica baseada nas opiniões do Rabino Meir Kahane. Inspirado por Kahane, em 1994, o colono israelense Baruch Goldstein massacrou 29 palestinos na mesquita Ibrahimi da Cisjordânia. Recentemente, em 2014, três membros do Lehava foram acusados de atear fogo em uma escola palestina-judaica bilíngüe integrada.

Em 1988, o partido Kach, braço político do Kahanism, foi proibido de concorrer ao parlamento israelense. Em 2004, o Departamento de Estado dos EUA classificou o partido Kach como organização terrorista. Mas o movimento Kahanist recentemente voltou ao governo de Israel – onde está sendo recebido de braços abertos.

Durante a última eleição em Israel, Benjamin Netanyahu, disposto a fazer qualquer coisa para manter seu cargo de primeiro-ministro, encorajou os eleitores de seu próprio partido Likud a votarem no sionismo religioso anti-árabe, que incluía o partido Otzma Yehudit, de inspiração Kahanista, para que eles pudessem ampliar sua base. O sionismo religioso conquistou seis cadeiras, trazendo o kahanismo de volta ao parlamento israelense pela primeira vez desde os anos 1980.

Como Netanyahu está se mostrando incapaz de formar uma coalizão, a atenção agora está se voltando para Naftali Bennett, o próximo candidato mais provável a se tornar primeiro-ministro de Israel.

Em 2016, Bennett convocou os israelenses a “darem suas vidas” para anexar a Cisjordânia, evocando a visão kahanista de que atos terroristas contra palestinos são atos patrióticos de martírio. As negociações de Bennett enquanto ele espera formar um governo incluíram reuniões com o sionismo religioso.

Declarações como o apelo de Bennett à violência certamente levaram a um aumento da temperatura na Terra Santa. Após a marcha extremista semana passada em Jerusalém, os confrontos continuaram entre os manifestantes palestinos e as forças israelenses. Além disso, foguetes foram lançados de Gaza e os militares israelenses responderam com bombardeios. Finalmente, no domingo, 25 de abril, a fim de diminuir a tensão, o comissário da polícia de Israel ordenou que as barricadas do Portão de Damasco fossem removidas.

As comportas do extremismo judeu já foram abertas. A marcha neonazista em Charlottesville e a resposta de Trump alarmaram o mundo com razão. Embora Trump tenha sido deposto do cargo, todos sabemos que o violento movimento racista que floresceu durante sua presidência não começou com ele e está longe de terminar. Seria sensato, após a marcha que pedia “morte aos árabes” em Jerusalém, falar abertamente contra o kahanism em Israel.

Fonte

Please follow and like us:

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *