Provocações Teológicas

Simul justus et peccator

FilosofiaPolítica

Gramsci e o idealismo radicalmente crítico

Gramsci e o idealismo radicalmente crítico

Marcos Del Roio comenta “Homens ou máquinas?”, coletânea de artigos de Antonio Gramsci de 1916 a 1920 nos quais o marxista sardo já adotava uma postura radicalmente crítica, ainda que com traços de idealismo.

Por Marcos Del Roio

Homens ou máquinas?, coletânea de textos de Antonio Gramsci organizada por Gianni Fresu, mostra o profundo envolvimento do revolucionário sardo com a classe operária de Turim e de toda a Itália. Mostra também a perspectiva internacionalista presente na formulação e na ação política de Gramsci, com a sempre presente ideia da tradução da Revolução Russa para as condições concretas de seu próprio país. Entre 1916 e 1920, a Itália, como toda a Europa, foi atingida por uma grave crise de hegemonia que possibilitou a eclosão de um movimento revolucionário, enfim derrotado nos países europeus e restrito apenas à Rússia. São escritos de entusiasmada militância cotidiana, radicalmente críticos, mas com traços de idealismo, que cobrem esse período.

O título do livro sugere a lógica da escolha dos textos: trata-se de mostrar como a exploração capitalista busca fazer de máquinas os trabalhadores mesmos, mas mostra também como a máquina, se usada em benefício dos trabalhadores, cumpre um papel libertador. A luta operária tem então o seu cerne na disputa pela apropriação das máquinas para que estas sirvam aos homens. Gramsci oferece grande ênfase na experiência dos conselhos de fábrica, com momento de autonomia, autogestão e autoeducação da classe operária. Não pode, porém, deixar de ser um crítico feroz do sindicalismo e do partido socialista, na medida em que estes, na prática, eram institutos operários dentro da ordem burguesa e não aceitavam a posição antagônica ao capital dos conselhos operários e dos jovens revolucionários do L’Ordine Nuovo.

***

“Como amalgamar o presente e o futuro, satisfazendo as urgentes necessidades do presente e trabalhando efetivamente para criar e antecipar o porvir?” Esse é o questionamento do marxista sardo que sintetiza as reflexões presentes nos 33 artigos reunidos em Homens ou máquinas?. A seleção, com metade das traduções inéditas em português, traz artigos de grande importância para a concepção gramsciana da luta de classes, com destaque para a questão da construção de uma subjetividade autônoma, da independência e autossuficiência das massas populares e da democracia operária como meio e fim para o socialismo. Os artigos também apresentam um retrato do período final da I Guerra Mundial e se desdobram nos dramáticos anos que culminaram na ascensão do fascismo.

Homens ou máquinas? é o segundo título lançado pela coleção Escritos gramscianos, que se propõe a reunir, abarcando diversos assuntos, textos desse originalíssimo pensador marxista. A coleção foi inaugurada com Odeio os indiferentes, artigos de 1917 selecionados e traduzidos por Daniela Mussi e Alvaro Bianchi. O objetivo da coleção é divulgar, com o devido cuidado editorial, uma voz que as forças retrógradas tentaram calar muito cedo e que, no entanto, repercute através dos tempos e tem muito a dizer para atuais e futuras gerações.

O conselho editorial da coleção Escritos gramscianos é composto por Alvaro Bianchi, Daniela Mussi, Gianni Fresu, Guido Liguori, Marcos Del Roio Virgínia Fontes.

“Decerto, para os industriais tacanhamente burgueses, pode ser mais útil ter operários-máquinas, em vez de operários-homens. Mas os sacrifícios a que o conjunto da coletividade se sujeita voluntariamente para melhorar a si mesma e fazer brotar de seu seio os melhores e mais perfeitos homens, que a elevem ainda mais, devem espalhar-se beneficamente pelo conjunto da coletividade e não apenas por uma categoria ou uma classe. É um problema de direito e de força. E o proletariado deve estar atento para não sofrer um novo abuso, além dos tantos que já sofre.”
– ANTONIO GRAMSCI

***https://www.youtube.com/embed/gNRTMeVFVKY?version=3&rel=1&showsearch=0&showinfo=1&iv_load_policy=1&fs=1&hl=pt-br&autohide=2&wmode=transparent

O livro de Antonio Gramsci tem tradução de Carlos Nelson Coutinho e Rita Coitinho, seleção dos textos e apresentação de Gianni Fresu, notas da edição de Luciana Aliaga, texto de orelha de Marcos Del Roio e capa de Maikon Nery.

***

Disponível em nossa loja virtual e e-book à venda nas principais lojas do ramo:


Confira o lançamento antecipado de Homens ou máquinas? com o debate entre Luciana Aliaga, Marcos Del Roio, Rita Coitinho Sabrina Areco (mediação), na TV Boitempo:https://www.youtube.com/embed/d4fLRvTpTBM?version=3&rel=1&showsearch=0&showinfo=1&iv_load_policy=1&fs=1&hl=pt-br&autohide=2&wmode=transparent

***

Saiba mais:
Blog da Boitempo: Você conhece Antonio Gramsci?
TV Boitempo: Quem tem medo de Antonio Gramsci?, com Virgínia Fontes
Guia de leitura de Homens ou máquinas | ADC#14

***

Marcos Del Roio é professor titular de Ciências Políticas da Faculdade de Filosofia e Ciências da Universidade Estadual Paulista (Unesp) e autor de Os prismas de Gramsci: a fórmula política da frente única (1919-1926) (Boitempo, 2019).

Please follow and like us:

Share this post

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.