Provocações Teológicas

Simul justus et peccator

CotidianoMarxismoPolítica

O capitalismo odeia a diversão coletiva

O capitalismo odeia a diversão coletiva
POR
LIZA FEATHERSTONE
TRADUÇÃO
CAUÊ SEIGNEMARTIN AMENI
Os seres humanos gostam de diversão coletiva – e de preferência pública, como o Wordle. Mas o capitalismo, com seu impulso implacável para privatizar, insiste que os entretenimentos são melhor experimentados como atividades individualizadas e solitárias.

Comentários e reclamações online fluíram livremente desde que o New York Times anunciou que estava comprando Wordle, o jogo de quebra-cabeça online que se tornou uma sensação global, e não sou o único a lamentar a probabilidade de Wordle em breve se transformar de uma espécie de um bom jogo disponível para todos gratuitamente em mais uma comodidade de internet fechada paywall.

Mas como uma das muitas pessoas para quem Wordle se tornou um prazer diário indispensável, o que acho mais desanimador nas notícias não é apenas a perspectiva de mercantilização do jogo, por mais indesejável que seja. Na verdade, não seria racional, sob o capitalismo, que Josh Wardle, o criador de Wordle, continuasse a nos fornecer sua brilhante ideia e trabalho diário de graça, já que ele também precisa trabalhar em um emprego real e sobreviver. E , para seu crédito, ele não foi ganancioso: Wardle provavelmente poderia ter vendido o conceito por muito mais dinheiro para uma empresa de jogos. O New York Times não foi a pior escolha; mesmo que o New York Times monetize Wordle, pelo menos ajudará a apoiar o financiamento de notícias do jornal, que é sempre extremamente necessária.

Ainda mais do que o impulso implacável de transformar tudo em um produto lucrativo, o que a saga Wordle destaca para mim sobre o capitalismo é seu impulso implacável para restringir, cercar e privatizar qualquer tipo de diversão coletiva e comunitária.

Embora cada pessoa jogue sozinha, Wordle é uma experiência comunitária porque a palavra diária é a mesma para todos. Um recurso de compartilhamento facilita a exibição de seus resultados a outras pessoas com uma grade codificada por cores que mostra o quanto você chegou perto das suposições, sem revelar a palavra. Na maioria dos dias, meu filho adolescente e eu trocamos mensagens com nossas grades. Eu não posto meus resultados do Wordle nas mídias sociais, porque eu entendo porque as pessoas que não jogam acham essa prática tediosa, mas eu gosto de ver o resultado de todo mundo. Eu costumava pensar que a postagem de pontuações era arrogante e irritantemente competitiva, mas esse não é o espírito dominante no qual as pessoas as compartilham. Em vez disso, é delicioso ver quantas rotas diferentes todos percorrem para chegar ao mesmo ponto final.

Mas Wordle não é um caso único. Considere o estado do beisebol. Muitas cidades estão perdendo seus times, porque para as marcas da Major League, que são as empresas-mãe, as ligas menores não são lucrativas. Não importa que os jogos da liga de base proporcionem horas de alegria para a classe trabalhadora e um senso de comunidade para muitas cidades pequenas. Para uma noção da lógica econômica dessa caricatura e do que nossa cultura está perdendo, recomendo este recente artigo de Harper sobre o fim da Liga dos Apalaches. O capitalismo não incentiva a alegria coletiva.

O mesmo pode ser dito de muitos outros pequenos prazeres coletivos: muitos de nós gostamos do Instagram, TikTok e Facebook, além de videogames, mas a motivação do lucro corroeu pelo menos parte dessa diversão digital ao longo do tempo. Em resposta ao alvoroço sobre os novos avatares 3D ridículos do Facebook, Kelsey Weekman, do BuzzFeedescreveu esta semana que “não devemos sempre deixar que nosso desgosto pelos bilionários das mídias sociais nos impeça de nos divertir online”. Admiro sua atitude, mas eles complicam muito nossos esforços para fazê-lo. Os videogames e as plataformas de mídia social são projetados para serem viciantes, o que é mais lucrativo para as empresas, mas pode causar estresse pelo resto de nossas vidas e uma série de riscos à saúde mental, especialmente para os jovens. Algoritmos das redes sociais favorecem conteúdos que deixarão os usuários irritados ou chateados, envolvendo-nos em conflitos sem sentido, o que, para aqueles que são compelidos pelo potencial dessas plataformas para compartilhar fotos de gatos brincando com caixas de papelão, foi decepcionante. Adoramos criar e compartilhar playlists no Spotify, um prazer recentemente marcado pela polêmica sobre a propaganda antivacina de Joe Rogan, mas esta última é muito mais lucrativa para a empresa do que nossas playlists, ou, infelizmente, até a música de Neil Young ou Joni Mitchell.

No final do século XX, quando o Muro de Berlim estava caindo e a União Soviética estava se desfazendo, parte do apelo do Ocidente para a juventude comunista do Bloco Oriental era que os prazeres de consumo do capitalismo pareciam mais divertidos do que a sóbria austeridade de suas vidas. Nossas discotecas eram mais altas e mais brilhantes. Nossos jeans eram mais variados e atuais. No entanto, de maneiras mais importantes, o capitalismo acabou sendo menos divertido que o socialismo. Como Kristen Ghodsee observou, as mulheres do Bloco Oriental relatam que, com todo o estresse econômico e competição, o sexo pós-comunista não é tão bom. As pessoas nas sociedades pós-comunistas também relatam menos tempo para lazer e amizade sob o capitalismo do que desfrutavam sob o comunismo.

Os humanos gostam de brincar e fazemos isso o tempo todo inventivamente. Mas o capitalismo sempre acaba atrapalhando. Eu ainda amo Wordle e continuarei jogando por enquanto, mas, como um feliz descanso da rotina da máquina capitalista de trabalho individual, consumo e lucro, seus dias estão contados.

Sobre os autores

LIZA FEATHERSTONE

é colunista da Jacobin, jornalista freelancer e autora de “Selling Women Short: The Landmark Battle for Workers’ Rights at Wal-Mart”.

Embora cada pessoa jogue sozinha, Wordle é uma experiência comunitária porque a palavra diária é a mesma para todos. (Jakub Porzycki / NurPhoto via Getty Images)

Fonte

Please follow and like us:

Share this post

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.