Provocações Teológicas

Simul justus et peccator

Política

A maioria dos russos não esperava esta guerra – e podem virar-se contra ela

A maioria dos russos não esperava esta guerra – e podem virar-se contra ela
POR
ALEXEY SAKHNIN E LIZA SMIRNOVA
TRADUÇÃO
GERCYANE OLIVEIRA
Na Rússia, tanto a mídia oficial quanto a liberal disseram à população que a guerra não estava chegando – até que de repente chegou. O fracasso de Vladimir Putin em mobilizar a opinião pública o levou a uma guerra potencialmente longa e impopular.

ARússia invadiu a Ucrânia e chocou até mesmo seus próprios cidadãos. Nos dias anteriores, uma piada viralizou com a resposta que o governo do presidente ucraniano Volodymyr Zelensky deu ao último aviso de Biden: “É a terceira vez esta semana”. Mas na noite de 24 de fevereiro, o Kremlin atravessou as fronteiras da Ucrânia – e o bom senso.

Há oito anos, os conflitos na Ucrânia têm sido muito intensos e, ao contrário do alarme na mídia internacional, as sociedades mais diretamente envolvidas tinham permanecido notavelmente passivas nas últimas semanas. É verdade que todos reagiram à sua maneira, e alguns estavam acumulando alimentos e preparando malas. Mas a maioria das pessoas em ambos os lados da fronteira não caiu em exaltação patriótica como em 2014. Os jornalistas ocidentais que esperavam encontrar o pânico em áreas próximas à linha de frente muitas vezes acabavam ficando desapontados.

Uma imagem falsa do aplicativo municipal da cidade de Moscou se tornou viral na internet há menos de duas semanas: “Infelizmente, a inscrição na invasão da Ucrânia em fevereiro acabou. Se você quiser participar da ocupação, por favor, tente novamente em março”.

Portanto, os mecanismos sociais encarregados da mobilização em massa para a guerra da Rússia sem dúvida estavam fora de ordem. E este fato em si precisa ser compreendido, independentemente de como a situação nas frentes de batalha se desenrola.

Liberais e patriotas

Enquanto os políticos russos negavam que planejavam invadir, a mídia governamental não era pacifista. A apresentadora de TV Victoria Skabeeva formulou o estado de espírito dos canais de televisão comentando no ar o seguinte: “Estamos sendo acusados de invadir para recriar a União Soviética em breve… Mal posso esperar!” Os talk shows discutiam constantemente a divisão da Ucrânia, com a Rússia supostamente “levando de volta” sua metade sudeste, conhecida pelos nacionalistas como “Novorossia” ou “Nova Rússia”. Cada notícia transmitida era acompanhada de tiros de veículos blindados e lançamentos de mísseis, demonstrando o poderio militar russo. A agitprop bielorrussa uniu-se à histeria militar-patriótica, com o presidente Alexander Lukashenko no leme, gerando aforismos como “Tudo ficará para proteger a Rússia, mesmo os que não querem”.

Tudo isso tem sido típico da propaganda governamental desde 2014. Mas, ao contrário de 8 anos atrás, a narrativa tinha se tornado um refrão familiar, vazio de significado particular. A sociedade não estava receptiva a nada desta “nova onda”. As agitações do patriotismo foram substituídas pela apatia e desmobilização, dados os efeitos da estagnação econômica e da queda da renda popular.

A forte supressão da esquerda e até mesmo das forças nacionalistas que apoiavam as políticas do Kremlin em 2014-15 desempenharam um papel importante. A burocracia de Moscou não queria aliados e entusiastas que são difíceis de controlar, inclusive nas repúblicas de Donbass, onde alguns aliados que causavam muitos problemas foram fisicamente eliminados. Mas até o último momento os funcionários recusaram todas as acusações de conspiração. Dizendo que eles não apenas mostraram que os avisos alarmistas dos políticos ocidentais e da mídia eram propaganda vazia, como mesmo os pró-ocidentais na Rússia não acreditavam que a invasão fosse possível.

A Rússia não tem um “sistema bipartidário” como outras democracias ocidentais, institucionalizado na arena política. Entretanto, a sociedade está dividida em dois grandes campos, respectivamente alinhados por trás do nacionalismo putinista e de um liberalismo mais pró-ocidental. Cada um é apoiado por seu próprio grupo de empresários influentes, um ecossistema de mídia e seu próprio conjunto de valores e formas de enquadrar as questões políticas. Todos os conflitos sociais ou políticos ao longo dos últimos 20 anos foram acompanhados por uma mobilização de ambos os campos.

O liberalismo russo contemporâneo nasceu nos anos 90, tornando-se a única forma da classe dominante legitimar a rejeição do socialismo e do passado soviético. De fato, o próprio Putin chegou ao poder como representante, herdeiro e garantidor desta tradição. Sua ruptura sistemática com ela, ao invés de entrar em conflito, refletiu contradições na ordem liberal global na qual a Rússia havia sido firmemente construída em uma posição subalterna, semiperiférica. Quanto mais alto o governo do Putin pedia um assento na mesa dos CEOs do planeta, mais irritação ela causava nas capitais ocidentais.

A arma ideológica do Kremlin neste argumento foi a mistura pós-moderna do chauvinismo nacional e as narrativas mal digeridas do ultra conservadorismo americano e da extrema direita. Mas o deterioramento das relações de Putin com o Ocidente desagradou às elites empresariais russas descontentes e sua classe média, que em vez disso encontraram sua voz na mídia mainstream.

O campo liberal sempre se opôs à guerra na Chechênia, à política de “fortalecer a linha vertical do poder” e à repressão da dissidência. Os liberais criticam Putin por não seguir o “caminho da civilização” ocidental. Mas sem nenhuma outra questão, esta disputa atingiu tal intensidade como aconteceu com a Crimeia e o conflito no leste da Ucrânia. Quando, em 2014, a Crimeia realizou seu referendo de adesão à Rússia, foi realizada uma “marcha pela paz” no centro de Moscou, com milhares de pessoas, cujos participantes cantaram “Glória à Ucrânia, glória aos Heróis”. A mídia liberal apoiou plenamente a Maidan ucraniana e os governos ocidentais na época, condenando a “anexação da Crimeia”.

A lógica da escalada do conflito com a oligarquia do Kremlin deu ao discurso liberal um sabor de heroísmo quase revolucionário. A cada ano que passava, o governo restringia ainda mais a liberdade de expressão e diminuía os resquícios da democracia eleitoral. Tomar uma posição de oposição exigia cada vez mais coragem. Em 2021 chegou o ponto de ruptura com a prisão do político liberal mais popular, Alexei Navalny. Seu movimento foi desmobilizado. E a maioria da mídia liberal, incluindo as maiores, como a empresa online Meduza e o canal de TV Dozhd foram oficialmente rotulados como “agentes estrangeiros”. Neles, o Kremlin viu o “soft power” do Ocidente, antecipando que no momento de uma fase aguda da luta geopolítica, a mídia liberal e a oposição se tornariam a base para a mobilização de protestos internos.

No entanto, alguma coisa ficou de lado. Pois, na invasão da Ucrânia, este modelo binário parou de funcionar de repente, pela primeira vez em décadas. Não houve mobilização política em torno da questão do patriotismo leal – mas também não houve uma resposta do lado liberal.

Pró-ocidentais que não confiam no Ocidente

Em 2014, a TV estatal russa chamou Maidan de “golpe”, e os liberais a chamaram de “revolução democrática”. A propaganda oficial culpou o belicismo dos EUA e “nacionalistas ucranianos”, e os liberais russos somente ao governo Putin. A polarização emocional de ambos os lados chegou a um estágio extremo de afetação, sem qualquer possibilidade de diálogo. Os dois campos e suas linguagens descritivas quase nunca se cruzaram. Entretanto, em meio à agitação da guerra durante o inverno, a maior mídia russa de posicionamento liberal parecia muito menos disposta a acreditar o que estava realmente acontecendo.

Um especialista do Carnegie Moscow Center, Andrey Movchan, publicou um artigo a edição russa da Forbes, insistindo que uma troca de ameaças era benéfica “tanto para o Kremlin quanto para os políticos ocidentais: o Kremlin recebe atenção suficiente e gaba-se de sua importância diante da população (os EUA querem falar conosco!), políticos americanos e europeus usam isto como uma oportunidade para mudar a discussão da complicada agenda econômica para algo remoto e inofensivo para os eleitores locais”.

Os anfitriões do popular podcast dirigido por Meduza – declarado um “agente estrangeiro” no ano passado – Andrey Pertsev e Konstantin Gaaze afirmaram: “Agora não são apenas nossos ‘queridos líderes’ que estão escalando as tensões, mas nossos colegas americanos se juntaram a eles”. De acordo com os jornalistas da oposição, a histeria da guerra foi acesa pela mídia ocidental a mando da comunidade de inteligência, que nem se deu ao trabalho de mostrar provas da próxima agressão russa. “Então começaram as entregas de armas à Ucrânia, o que também acendeu a fasquia”, alegou Gaaze. Eles até culparam Biden pela retórica exacerbada ao tentar distrair a atenção das dificuldades em torno de seus planos.

O editor-chefe da Novaya Gazeta recebeu o Prêmio Nobel em dezembro de 2021 pelos “esforços para salvaguardar a liberdade de expressão” do jornal. Alguns jornalistas da Novaya até pagaram com suas vidas por criticar o Kremlin (por exemplo, Anna Politkovskaya). Na véspera do anúncio de Biden, que previa a iminente invasão da Rússia em 16 de fevereiro, Novaya publicou uma longa matéria analítica, dedicada a analisar os argumentos dos líderes ocidentais. “Se olharmos para a mídia ucraniana e europeia de 2016-18, veremos o número de tropas russas pelas fronteiras da Ucrânia no mesmo nível – com 80 a 100 mil pessoas. Por que não havia se tornado um motivo de crise nos últimos seis anos então?” perguntou o autor do artigo. Ele partiu do princípio de que o Kremlin também tinha uma carga de responsabilidade pelos acontecimentos, mas seu foco era principalmente o papel ocidental. “A nova doutrina é o potencial para usar a inteligência como arma de operações de informação”, disse jornal ao citar o ex-diretor da Inteligência Nacional dos EUA James Clapper, concluindo: “Portanto, a inteligência toma parte ativa na atual campanha do governo, que exala princípios de propaganda de guerra”.

Outro chamado “agente estrangeiro”, o canal de oposição Dozhdpublicou um artigo chamado “A invasão da Ucrânia pela Rússia não aconteceu. Novas datas são propostas pela mídia mundial”. O artigo citou as palavras de David Arakhamia, um deputado ucraniano do partido governista Servo do Povo de Volodymyr Zelensky: “Acho que quando a primeira fase terminar em duas ou três semanas, devemos realizar uma análise retroativa para descobrir como a grande mídia, muito proeminente, começou a disseminar informações de formas piores do que [notórios apresentadores de TV estatais russos conhecidos por sua propaganda grosseira] Skabeeva e Solovyev. Há fakes news na CNN, Bloomberg, Wall Street Journal. Devemos estudá-las, pois são todos elementos de uma guerra híbrida”.

As inesperadas reticências da mídia liberal russa com a confiabilidade, a veracidade e a sinceridade da “mídia ocidental” foram quase sem precedentes. Jornalistas difíceis de acusar de simpatias pró-Putin vieram subitamente ver os traços familiares da propaganda de guerra na narrativa ocidental dominante – e a reconheceram muito bem como o estilo de assinatura do regime russo. Mesmo o próprio presidente Zelensky da Ucrânia havia duvidado, várias vezes ao longo do mês passado, dos relatos sobre a iminente invasão russa.

De Mangusto a Cobra

Uma nova rodada de escalada no conflito começou quando os chefes das duas repúblicas fantoches em Donbass anunciaram a evacuação de civis para o território da Rússia. Os ônibus estavam lotados de refugiados e os homens em idade de alistamento foram mobilizados. Isto deu ao Kremlin um pretexto para reconhecer oficialmente as duas repúblicas e se tornou um prólogo à invasão que se seguiu nos dias seguintes.

Todos os partidos parlamentares praticamente se dissolveram na retórica oficial do Kremlin. Mesmo o maior partido de oposição – o Partido Comunista (CPRF) – não conseguiu formular uma posição particular diferente da de Putin. Além disso, foi o CPRF que apresentou ao parlamento um projeto de lei sobre o reconhecimento das repúblicas autoproclamadas. Ao contrário dos liberais, que imediatamente condenaram a intervenção, a oposição da Duma perdeu totalmente qualquer subjetividade e independência, tornando-se engrenagem do regime atual.

As gravações em vídeo dos líderes separatistas pró-russos que faziam anúncios foram carregadas on-line de uma pasta com o nome “Operação Mangusto”, como descobriram os hacktivistas da Bellingcat após analisar os metadados das gravações. As proclamações alarmistas pareciam ser uma operação cuidadosamente planejada, com a pista de seu significado escondida no próprio nome.

Ao combater uma cobra, um mangusto dá golpes falsos, fazendo a cobra reagir. Se um mangusto não comete nenhum erro, a cobra fica cansada, perde concentração e velocidade de reação, seu corpo se alonga. Então o mangusto dá o golpe final e mata o inimigo. Vladimir Putin deve ter lido sobre isso no livro The Jungle Book de Rudyard Kipling.

Em um dos romances, uma cobra quer matar uma criança inglesa que vive na Índia, mas o mangusto Rikki-Tikki-Tavi salvou a família de seus amigos europeus ao matar o perigoso “aborígine” – a cobra. Putin tem afirmado frequentemente que a Rússia é a defensora da tradicional “civilização europeia”, que agora está nas mãos de potências anti-europeias. Ele aparentemente se considera um nobre mangusto, protegendo a Europa de uma venenosa “hegemonia liberal” e da dominação americana.

“O coração da questão é que cada lado se considera o mangusto e espera que a cobra inimiga se atire da frente”, escreveu o editor chefe da mídia da oposição ucraniana Strana.ua, Ihor Huzhva. Ao levantar a aposta no perigoso jogo político em torno da Ucrânia, o governo russo sempre teve uma resposta para os passos de seus oponentes ocidentais. Os “golpes falsos” serviram para cansar o oponente e torná-los um alvo útil para o golpe final. Mas apanhados em sua “luta de cobras”, os políticos russos pareciam ter esquecido a necessidade de explicar a situação a sua própria sociedade.

Durante três meses, os líderes russos vinham falando de paz, aludindo ao senso comum e aos interesses do povo. Dmitry Peskov, secretário de imprensa do presidente, havia chamado todas as menções à guerra na imprensa ocidental de “loucura informativa maníaca”. No entanto, de repente, a população foi informada de que tanques russos estavam se dirigindo para Kiev, Odessa e Kharkiv. Como explicação para este inesperado movimento, a mídia estatal repetiu as afirmações abstratas de Putin e Sergey Viktorovich Lavrov sobre a “desnazificação” da Ucrânia e a necessidade de proteger a Rússia de ameaças existenciais.

Tais clichês de propaganda permanecem completamente obscuros para o público. Como Kiev ameaçou a existência da Rússia? Por que foi necessário realizar a “desnazificação” com a ajuda de tanques e aeronaves após 8 anos de negociações e comércio com este “regime” supostamente inaceitável? O argumento mais forte da mídia pró-Kremlin foi “a necessidade de proteger o povo de Donbass” contra o bombardeio sem fim. Mas será este um objetivo que vale a pena perseguir através do bombardeio de Odessa, Kharkiv, Kherson e Kiev?

Esta contradição gritante fez alguns políticos do Partido Comunista voltarem atrás. “Acredito que a guerra deve ser detida imediatamente. Ao votar pelo reconhecimento do DLPR [isto é, das autodenominadas Repúblicas Populares de Donetsk e Luhansk], eu votei pela paz, não pela guerra. Eu votei para que a Rússia se tornasse um escudo, para que Donbass não fosse bombardeado, e não para que Kiev fosse bombardeada”, tweetou o deputado Mikhail Matveyev da CPRF em 26 de fevereiro. Os legisladores russos devem estar satisfeitos com sua artística conspiração, que permitiu uma surpresa militar, política e psicológica. Mas isso também terá consequências desagradáveis para Putin.

Milhões de russos se sentem enganados e desanimados. Os acontecimentos não se encaixam no entendimento humano básico de paz, normas morais, segurança nacional e justiça. O país não está nem perto de qualquer tipo de mobilização patriótica.

A falta de apoio popular para a guerra tornou-se evidente. “As hostilidades na Ucrânia que começaram hoje vieram como uma surpresa para a sociedade russa e criaram uma situação de choque em massa”, advertiu o canal pró-Kremlin Nezygar, supervisionado pela editora chefe da RT, Margarita Simonyan: “Os analistas chamam a atenção para o fato de que as pessoas não estavam prontas para um confronto militar”.

A reação a isto foi a introdução de uma censura rigorosa. Roskomnadzor (a agência que controla o trabalho da mídia e das redes sociais) anunciou oficialmente que os jornalistas que escrevem sobre a guerra são obrigados a se referir apenas às “fontes oficiais de informação russas”. No terceiro dia da guerra, o departamento proibiu chamar o que estava acontecendo de “guerra” por completo. Ao invés disso, todos receberam ordens para usar o eufemismo “operação da Rússia na Ucrânia”.

Também foi publicado um registro de “traidores da informação”, que incluía não apenas todos os meios de comunicação da oposição, mas até mesmo o site “patriótico” Free Press, que é próximo ao Partido Comunista. Depois, foi anunciada “uma desaceleração do Facebook na Federação Russa”. Mas, mesmo a introdução da censura em tempo de guerra não é capaz de apagar a crescente decepção das pessoas.

A guerra é uma guerra

Apesar do choque, a mídia liberal também reconheceu instantaneamente seu erro. “Por favor nos perdoe, estávamos errados”, disse Konstantin Gaaze antes de anunciar que novos episódios do podcast não sairiam até que a guerra terminasse. Apesar da proibição direta do governo de usar a palavra, a mídia liberal chama esta guerra de guerra. Mesmo diante da perspectiva de serem silenciados, eles publicam diariamente relatórios sobre os bombardeios das cidades ucranianas e notícias sobre vítimas civis.

Seus prognósticos sobre o futuro da economia russa sob sanções são muito pessimistas. Mas a principal ênfase na mídia liberal é a condenação moral da invasão imprudente. Os ativistas anti-guerra da esquerda vão mais longe: eles afirmam que a guerra sangrenta de Putin se tornou a negação lógica da evolução de todo o Estado pós-soviético, com sua inerente desigualdade crescente, autoritarismo e nacionalismo étnico.

Mesmo que o resultado mais benéfico para o governo Putin tenha ocorrido, a guerra permanece impopular e injusta. Aos olhos de milhões de russos, por trás das características do envelhecimento do “Rikki-Tikki-Tavi”, pode-se ver claramente a cobra venenosa que ataca uma vítima inocente.

Um fator importante que impede a mobilização anti-guerra são as preocupações dos russos de que a única coisa pior que uma “guerra vitoriosa” seja uma “guerra perdida” – que a derrota da Rússia se transforme em sua ocupação e desmembramento. Tais atitudes já estão sendo ativamente especuladas pela propaganda midiática que mostra como cidadãos russos comuns são intimidados e discriminados no exterior. Para enfrentar a guerra iniciada pelo nosso próprio governo, nosso povo deve saber que os residentes deste país não terão culpa coletiva pelos crimes do governo de Putin. É por isso que precisamos desesperadamente da solidariedade internacional contra a guerra.

Sobre os autores

ALEXEY SAKHNIN

é um ativista russo que foi um dos líderes do movimento de protesto anti-Putin de 2011 a 2013. Ele é membro do Conselho Internacional Progressista e Socialistas Contra a Guerra.

LIZA SMIRNOVA

é uma ativista de esquerda, jornalista e poetisa russa. Ela é membro dos Socialistas Contra a Guerra.

Fonte

Please follow and like us:

Share this post

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.