Provocações Teológicas

Simul justus et peccator

LGBTQIAP+

As dores e as alegrias de católicos transgênero

As dores e as alegrias de católicos transgênero

Para os católicos transgênero, a Igreja é frequentemente uma fonte tanto de profunda dor quanto de profunda alegria, conforme relata um novo perfil de católicos transgênero dos EUA pela Associated Press.

A reportagem é de Angela Howard McParland, publicada por New Ways Ministry, 13-03-2022. A tradução é de Wagner Fernandes de Azevedo.

Pelo menos seis dioceses emitiram diretrizes restritivas dirigidas a indivíduos transgêneros nos últimos dois anos, a mais recente, e talvez a mais dura, vinda de Milwaukee. Todas essas diretrizes exigem que os funcionários e alunos da Igreja sejam tratados conforme o sexo que lhes foi atribuído no nascimento quando se trata de pronomes, banheiros e códigos de vestimenta. A política em Marquette, Michigan, recomenda a negação dos sacramentos aos católicos LGBTQIA+ “a menos que a pessoa se arrependa”.

E, no entanto, apesar desses exemplos repressivos, alguns católicos transgêneros encontram motivos para ter esperança e acolher paróquias para praticar sua fé. Na Igreja de Nossa Senhora da Graça em Hoboken, Nova JerseyChristine Zuba, uma mulher trans, pregou na missa anual do Orgulho Gay a convite do pároco, padre Alexander Santora.

“Não somos desordenados, confusos ou uma moda passageira. Não estamos tentando desafiar Deus, nem brincar de Deus”, explicou Zuba em sua homilia. “Ao permanecermos visíveis, não apenas fora dessas paredes, mas dentro de nossas Igrejas, mudamos corações e mentes, uma pessoa de cada vez. De vez em quando podemos ser expulsos, mas se isso acontecer, não vamos embora. Estamos voltando logo”.

padre Santora, que é padre há quarenta anos, lembrou os aplausos dos paroquianos após o sermão de Zuba. “Eu queria que Christine estivesse naquele púlpito”, disse ele.

E embora Zuba tenha sido apoiada em sua própria paróquia, onde foi acolhida depois de sair do armário aos 58 anos e ainda serve como ministra eucarística, ela reconhece que a acolhida que experimentou não é comum. “Esses bispos e padres não entendem que, quando rejeitam alguém, estão perdendo pais, filhos, grupos de amigos que dizem que esta não é a Igreja à qual queremos pertencer”, observou ela.

Lynn Discenza, uma mulher trans de 64 anos de West Hartford, Connecticut, também se vê vivendo na tensão de uma paróquia local acolhedora (St. Patrick-St. Anthony) desconectada da condenação da hierarquia. Ela é a coordenadora da pastoral LGBTQIA+ em sua paróquia e até frequentou o seminário antes de estudar design aeroespacial.

Ela lembrou a observação de sua paróquia do Dia da Memória Trans em novembro, quando o pároco, padre Timothy Shreenan, escreveu no boletim: “Devemos sempre nos levantar contra o ódio em todas as suas formas e não permitir que os medos (ou fobias) dos outros sejam motivo de ódio. Em vez disso, devemos continuar a aprender mais sobre a experiência dos outros e nos tornar mais tolerantes e receptivos uns aos outros”.

Como ZubaDiscenza está convencido de que uma Igreja mais acolhedora e inclusiva começa no nível local: “A mudança virá do zero, e alguns dos antigos bispos morrerão”.

E embora padres acolhedores como os de Zuba e Discenza certamente existam, muitos outros clérigos não estão recebendo católicos trans nas igrejas. Eli Musselman, que tem 19 anos e fez a transição há cerca de quatro anos, é um estudante do primeiro ano da St. Joseph University, na Filadélfia. Quando ele se assumiu, seu pastor se recusou a usar seus pronomes preferidos, e Musselman começou a sofrer ataques de ansiedade pelos “olhares desagradáveis” que recebia na igreja.

“Um lugar que uma vez foi um porto seguro para mim, tornou-se um lugar de perigos. Mas desde que saí, minha espiritualidade cresceu”, lembra Musselman. “Eu me sinto inteiro pela primeira vez na minha vida”.

A mãe de EliJoEllen Musselman, também lembra das dificuldades daquele período: “Perdi alguns bons amigos. Senti que estava constantemente pedindo desculpas às pessoas e me cansei disso”.

Mas, como seu filho, ela se concentra em sua fé e não na igreja institucional. “Eles são falhos”, explica ela, falando dos líderes da igreja. “Se não fosse por Cristo, a Igreja entraria em colapso porque nós humanos estragamos tudo”.

O próprio Papa Francisco às vezes incorpora essa combinação de rejeição e acolhida à comunidade LGBTQIA+. Ele é bem conhecido por acolher pessoalmente católicos gays individuais e declarações pastorais, mas também denuncia a “teoria de gênero”, um termo indefinido usado para se referir a qualquer abordagem positiva a novos entendimentos de gênero. Em uma coletiva de imprensa em 2016, ele qualificou seus comentários sobre a necessidade de acompanhar a comunidade trans insistindo: “Mas, por favor, não diga ‘O papa santifica os trans!’ Por favor!”.

Para aqueles que trabalham diretamente no ministério para católicos trans, essa hipocrisia é clara. A irmã Luisa Derouen, membro das Irmãs Dominicanas da Paz, tem ministrado a mais de 250 católicos trans desde 1999. “Muitos dos nossos bispos são anticiência”, pontuou em referência à desconexão da Igreja em relação aos ensinos modernos de gênero e a recusa em ir além do binarismo. “Você não pode respeitar as pessoas e negar sua existência ao mesmo tempo”.

Derouen saberia. Ela foi autorizada a escrever sobre suas experiências em 2014, desde que permanecesse anônima, o que fez até 2018, quando começou a defender publicamente a comunidade trans para “dar testemunho de sua dignidade e valor como seres humanos”. Sua esperança para mudança também está no ativismo de base e o trabalho de católicos individuais em vez dos líderes da Igreja global.

“Nunca antes a hierarquia da Igreja estadunidense teve tão pouca credibilidade. Os leigos estão assumindo a responsabilidade de fazer sua própria lição de casa e reconhecendo que somos todos o povo de Deus”, disse ela.

Michael Sennett, um homem trans de 26 anos e diretor de comunicação da Igreja de Santo Inácio de Loyola no campus do Boston College, já vê parte dessa mudança em ação. Sennett, que é um colaborador regular do New Ways Ministry, disse: “No geral, estou maravilhado com o progresso. As pessoas estão se manifestando como nunca antes, unindo forças… Os leigos estão encontrando mais poder”.

Fonte

Please follow and like us:

Share this post

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.