Provocações Teológicas

Simul justus et peccator

AtivismoNegritude e libertação

Toussaint Louverture é um herói para o nosso tempo

Toussaint Louverture é um herói para o nosso tempo
POR
CHARLES FORSDICK
TRADUÇÃO
GERCYANE OLIVEIRA
O revolucionário haitiano Toussaint Louverture faleceu neste dia em 1803. Ele liderou a maior revolta de escravos da história e deu um basta contra a opressão racista. Sua vida e legado extraordinários continuam a inspirar as lutas pela liberdade de hoje.

Resenha do livro Black Spartacus: The Epic Life of Toussaint Louverture, de Sudhir Hazareesingh (Penguin, 2021)


Orelato de Sudhir Hazareesingh sobre o que ele chama de “vida épica” de Toussaint Louverture fornece uma meticulosa biografia e, ao mesmo tempo, uma nova introdução muito abrangente da Revolução Haitiana. Black Spartacus representa uma intervenção substancial no campo da historiografia revolucionária haitiana e da historiografia mais ampla da revolução.

A biografia de Hazareesingh atraiu, com razão, muitos elogios, entre eles o Prêmio Wolfson de História, o prêmio mais prestigiado do Reino Unido por uma obra de conteúdo histórico. Há também uma adaptação para a TV feita pela Mammoth Screen, a produtora britânica conhecida por séries como The Serpent and Poldark.

Black Spartacus é escrita de forma incisiva e apresenta seu rico material de referência, tanto historiográfico como arquivístico, com uma leveza do tato agradável. O trabalho resultante cimentará a posição de Louverture no mundo anglófono como uma das figuras chave da era das revoluções, cuja repercussão atual é mais clara do que nunca.

Uma força sem fronteiras

“Oideal do empoderamento negro”, observa Hazareesingh, “estava no coração da lenda de Toussaint”. Publicada pela primeira vez em setembro de 2020, durante o outono após o assassinato de George Floyd e os protestos internacionais ligados ao Black Lives Matter, a nova biografia se mostrou oportuna. Muitas pessoas citaram o líder haitiano como um precedente histórico e uma inspiração para o movimento atual.

Pode não ser um “manual progressista para a revolução em todo o mundo”, pois o autor descreve a obra de C. L. R. James, Os Jacobinos Negros. No entanto, Black Spartacus oferece um relato de um ícone revolucionário que liderou uma luta pela emancipação negra combatendo as principais formas de opressão de sua época: “escravidão, colonialismo dos colonizadores, dominação imperial, hierarquia racial e supremacia cultural europeia.” Eis um homem que transformou a revolta numa revolução organizada, um líder caracterizado por um compromisso intransigente com a emancipação universal, que expôs os pontos cegos e a ilogicidade do pensamento europeu.

O objetivo de Hazareesingh é mostrar como Louverture foi sobretudo “inspirada pela ambição makandalista de criar uma consciência comum entre os escravos negros, pelo apelo do movimento a suas aspirações de liberdade e por seu objetivo de forjar uma organização revolucionária eficiente”. O termo “makandalista” refere-se a François Makandal, que organizou uma sociedade secreta de escravizados haitianos uma geração antes de Louverture, preparando uma revolução antes que ele fosse capturado e brutalmente executado. Seu exemplo ajudou a inspirar a revolução que Louverture liderou.

A imagem original da capa é retirada do retrato de François Cauvin de 2009 de Louverture com uma galinha da angola formando seu chapéu. No Haiti, as pessoas veem estas aves como um símbolo de liberdade e resistência. Em sua introdução à colônia, eles são relatados como tendo resistido à domesticação e fugido de seus pretendentes captores no estilo dos castanheiros.

A conclusão do Black Spartacus passa do arquivo para a variedade de representações culturais que caracterizam Louverture. Citando Wyclef Jean e Akala, Hazareesingh fecha com vozes haitianas, especificamente com as da banda Chouk Bwa (“Tree Stump”). Seu nome foi inspirado no discurso do líder revolucionário sobre a “árvore da liberdade”, um discurso que ele teria entregue quando as tropas de Napoleão Bonaparte o raptaram e o deportaram do Haiti para a França, onde ele morreria em cativeiro em abril de 1803. Hazareesingh cita a cantora do grupo, Edele Joseph, que resume o espírito louvertúrico de sua banda: “A missão é levar energia positiva às pessoas… A energia não tem fronteiras”.

O Precursor e o Libertador

Fora do Haiti, Louverture tem tentado atrair mais abordagens hagiográficas que muitas vezes minimizam suas falhas pessoais e estratégicas. Estas complexidades são mais visíveis no próprio Haiti, onde os espectros da Revolução nunca estão longe da superfície.

Em seu ensaio de 2005, La Cohée du Lamentin, Édouard Glissant descreveu o fantasma de Toussaint Louverture assombrando as muralhas do Château de Joux, o forte na região do Jura na França onde, progressivamente faminto de comida, calor e luz, ele morreu em abril de 1803 por causa de Napoleão. Os franceses haviam procurado retirar Louverture do país e neutralizar sua influência sobre os antigos habitantes escravizados na colônia de Saint-Domingue. Em vez disso, o homem agora conhecido como o “Precursor” inspirou seus antigos generais – notadamente Jean-Jacques Dessalines (o “Libertador”) e Henri Christophe – a se levantar novamente contra as forças de ocupação de Charles Leclerc. Eles transformaram uma revolução impulsionada por um desejo de emancipação da escravidão em uma guerra anticolonial de independência.

Os escritores frequentemente atribuem visões muito diferentes do futuro do Haiti ao Precursor e ao Libertador, com o primeiro supostamente comprometido com a autonomia do país em uma comunidade francesa de nações, enquanto o segundo naturalmente desconfiava dos antigos colonizadores e insistia na autossuficiência a todo custo. Na realidade, as diferenças entre os dois homens não foram tão polarizadas como estas representações sugerem. No entanto, a política haitiana continua dividida entre Louverturianos e Dessalinenses, como os legados da revolução continuam a ressoar no presente.

No contexto da recente presidência de Jovenel Moïse, por exemplo, foi Dessalines que veio à tona. Com o povo cada vez mais frustrado pela corrupção, pela escassez de alimentos e pelo fracasso dos procedimentos constitucionais básicos, imagens estampadas do líder fundador do Haiti começaram a aparecer nas paredes da capital. Manifestantes vestidos como Dessalines tomaram as ruas, e houveram grandes manifestações em 17 de outubro, no aniversário de sua morte em 1806.

Após o assassinato de Moïse em julho de 2021, os outros paralelos foram traçados pelos jornalistas, pois ele entrou na lista dos chefes de Estado haitianos mortos durante o seu mandato. Entretanto, o exemplo de Dessalines mostra a importância vital do contexto. O desgaste dos líderes da revolução difere muito, tanto dentro como fora do Haiti.

Cidadão Toussaint

Black Spartacus pertence a uma longa tradição de biografias em língua inglesa que se concentram em Toussaint Louverture. Esta linhagem se estende até a tradução inglesa de 1802 do relato racista, escandaloso e pró-napoleônico de Jean-François Dubroca, mas também inclui textos mais aprovadores que se seguiram no século XIX, como The Life of Toussaint L’Ouverture, the Negro Patriot of Hayti, publicado pelo ministro Unitário John Relly Beard em 1853.

O principal texto com o qual Hazareesingh inevitavelmente se envolve, no entanto, é Os Jacobinos Negros. Esta é uma obra que o autor admira claramente, mas não escapa a suas críticas. Ao enfatizar as credenciais jacobinas de seu súdito, Hazareesingh argumenta, C. L. R. James ignorou suas tendências monarquistas, bem como a “originalidade de tirar o fôlego” de seus esforços revolucionários.

Outras biografias em língua inglesa seguiram na esteira de James, mais notadamente a Citizen Toussaint de Ralph Korngold, publicada pelo Left Book Club em 1944, e a “This Gilded African” de Wenda Parkinson, que apareceu em 1978. Mais recentemente, houve um conjunto de estudos biográficos, notadamente os de Madison Smartt Bell e Philippe Girard.

A vida de Smartt Bell em Louverture é uma peça companheira de sua trilogia de romances sobre a Revolução Haitiana. Ela apresenta seu tema como um vaudouisant, um praticante da religião tradicional que ao mesmo tempo dominou e empregou o conhecimento do Iluminismo. Girard recorre a um impressionante material de arquivo, particularmente quando se trata do início da vida de seu súdito. No entanto, sua análise reverte para um novo revisionismo conservador que reivindica que um dos principais objetivos de Louverture era adquirir riqueza e status social para si mesmo.

A biografia de Hazareesingh se destaca pelo frescor de sua abordagem e pelas novas perspectivas que ela traz. O autor é um astuto estudante de história política e cultural francesa desde 1789: seus livros anteriores desmistificaram as representações de Charles de Gaulle e forneceram (em grande parte afetuosamente) uma visão de Como os Franceses Pensam. Para Hazareesingh, o envolvimento com a história colonial francesa no Caribe foi, nesse sentido, uma nova partida.

Black Spartacus, contudo, desenvolve os temas de seu trabalho anterior de várias maneiras, abordando os contornos intelectuais implícitos nas abstrações do universalismo republicano francês e a instrumentalização ideológica de figuras mitológicas do passado. Ao mesmo tempo, uma pesquisa sobre a vida de Louverture permitiu a Hazareesingh refletir sobre um quadro geográfico mais amplo, criando conexões entre a língua e a história do Haiti e as das Ilhas Maurício, nativas do autor, que tem sua longa tradição de resistência por parte dos escravizados, representados por figuras como Daimamouve, Tatamaka e Madame Françoise.

Corte de grilhões

Ahistoriografia haitiana pode ser, muitas vezes, um campo carregado. Existem linhas falhas entre estudiosos haitianos e não-haitianos, radicais neomarxistas e conservadores, Louverturianos e Dessalinianos. Hazareesingh se posiciona sutilmente dentro desta situação: enquanto ele frequentemente permite que seu material de origem fale por si mesmo, ele desafia aqueles que procuraram retratar Louverture e seus pares como revolucionários burgueses cujo objetivo era promover seus próprios interesses e não aqueles do povo que eles supostamente emanciparam.

Ele reconhece plenamente as falhas ou paradoxos que biógrafos anteriores e críticos mais recentes detectaram em Louverture: seu status pré-revolucionário como proprietário de pessoas escravizadas; a aparente exclusão das mulheres de suas visões de Estado; a degeneração de seu governo emancipatório em uma abordagem aparentemente autoritária. No entanto, Hazareesingh rejeita ativamente as tendências “conservadoras e neo-imperialistas” aparentes em algumas historiografias coloniais recentes. Seu objetivo declarado é cortar esse matagal e encontrar nosso caminho de volta a Toussaint: voltar o mais possível às fontes primárias, tentar ver o mundo através de seus olhos e recapturar a ousadia de seu pensamento e a individualidade de sua voz.

A navegação da ambiguidade é central para esta abordagem. Em certo ponto, Hazareesingh observa que “localizar Toussaint não foi fácil, pois ele estava constantemente em movimento, e andava tão rápido que frequentemente deixava seus próprios guardas atrás de si”. Um desafio semelhante enfrenta seus biógrafos. Diante de um acúmulo de mitos e lendas, obrigados a preencher lacunas com especulações, cautelosos ou não, eles também parecem muitas vezes ficar para trás. O Louverture que emerge, muitas vezes com uma teatralidade marcada, de Black Spartacus está firmemente enraizada nas evidências que seu autor utiliza.

Mais notadamente, ele associa o líder revolucionário a uma adaptação criativa do makandalismo, tanto em sua filosofia como em suas táticas militares. Hazareesingh encontra evidências desta dívida com técnicas desenvolvidas por Maroons em Louverture para forjar uma consciência compartilhada, enraizada em experiências comuns de opressão e uma aspiração a um futuro melhor, entre os africanos outrora escravizados que formariam seus exércitos. Um compromisso com a emancipação negra convergiu com uma fraternidade mais ampla enraizada em valores crioulos, republicanos e cristãos. O autor resume o espírito do Louverturianismo como “esforço coletivo infatigável, disciplina rigorosa e a serviço do bem comum”.

Hazareesingh rastreia sutilmente o surgimento desses valores louvertúrianos nos primeiros anos da revolução, quando o futuro líder revolucionário manteve um perfil relativamente baixo. Ele explora em detalhes o relacionamento de Louverture com o republicanismo francês, que era simbiótico e não derivado. Esta relação encontrou reflexo em um compromisso muitas vezes incompreendido de restaurar Saint-Domingue a sua força econômica pré-revolucionária.

O autor apresenta o objetivo de Louverture de garantir a saúde da colônia como motivação para vários desenvolvimentos que outros biógrafos criticaram. O tratado de Louverture com os britânicos, por exemplo, ou sua imposição de uma nova forma de compromisso com os ex-escravizados. Hazareesingh descreve seu sujeito como estando dividido entre seu poder carismático, quase mágico sobre a população, por um lado, e o fracasso de articular seu projeto com o povo, por outro. Este é um aspecto de sua carreira que C. L. R. James em particular identificou.

Super herói

Um dos verdadeiros pontos fortes do Black Spartacus é a capacidade do livro de segurar tais oposições tão tensas. Um exemplo notável é a discussão de Hazareesingh sobre a constituição de 1801, que há muito tempo tem sido uma fonte de controvérsia. Ela nomeou Louverture como governador do Haiti para o resto de sua vida e lhe deu o direito de escolher seu sucessor em segredo.

Como o autor observa, outros escritores apresentaram um relato conservador deste texto como o “epítome da traição” da parte de Louverture contra sua interpretação mais radical como a “apoteose de sua luta contra a escravidão”. Hazareesingh é mais moderado, discernindo e ao invés disso tem um compromisso mais sutil da parte de Louverture para criar uma distância clara entre a França e Saint-Domingue. Ele entendeu isto como uma forma de fortalecer a governança interna, evitando os riscos da instabilidade política francesa: “O pensamento de Toussaint não foi movido nem por arrogância nem por capricho, mas – como sempre – por cálculos políticos racionais”.

No entanto, Hazareesingh converge com comentadores como James, que via Louverture como estando “cada vez mais preso em uma espiral autoritária”, um líder autodidata cujo recuo para a autoconfiança fomentou uma crescente relutância em compartilhar o poder ou divulgar as estratégias que ele estava empregando para mantê-lo. Os intérpretes conservadores de Louverture permitiram que as circunstâncias de seu declínio eclipsaram uma compreensão mais completa de suas realizações, e às vezes o mesmo poderia ser dito de escritores mais radicais. Hazareesingh não cai nessa armadilha.

Em um brilhante capítulo final sobre a vida após a morte de seu sujeito, Hazareesingh acompanha o surgimento e a durabilidade de um “culto Louverturo espontâneo”. Dos Irlandeses Unidos à Rebelião Aponte de Cuba, do movimento anti-escravidão dos EUA à luta maori para recuperar seus direitos dos colonos europeus na Nova Zelândia, Louverture surgiu como a personificação da Revolução Haitiana e sua inspiração histórica. Hazareesingh detecta traços de Louverture em uma série de líderes do século XX – Frantz Fanon, Fidel Castro, Yasser Arafat, Nelson Mandela – e apresenta seu sujeito como o “primeiro super herói negro da era moderna”.

Hazareesingh explica que o título de seu livro, que o eleva a este status de super herói, tem uma longa linhagem histórica por trás dele. Ele começa com o governador republicano do colonial francês Saint-Domingue, Étienne Laveaux, que ilustrou admiravelmente Louverture como o “Spartacus Negro”, um nome que ele associou ao “líder anunciado pelo filósofo Raynal para vingar os crimes perpetrados contra sua raça”. Os jornais negros e progressistas dos Estados Unidos do século XIX também descreveram o líder haitiano como o “Spartacus Negro”. De sua cela de prisão em 1954, Fidel Castro alegou que a alma de Spartacus havia “renascido em Toussaint Louverture”.

Por sua vez, o próprio Louverture tornou-se um ponto de comparação para outros. Durante a Guerra da Independência cubana, admiradores de Antonio Maceo se referiam a ele como a “Louverture Toussaint Cubano”. Após a humilhação do exército francês em Dien Bien Phu, Paul Robeson alegou que Ho Chi Minh era o “Toussaint do Vietnã”.

O historiador haitiano Gaetan Mentor contestou a associação de Louverture com o Spartacus original, que pode não ter buscado a abolição da escravidão no mundo romano. Ele insistiu que o líder haitiano merece permanecer em seu próprio direito:

Nosso Toussaint não era um Spartacus negro. Recusamos esta justaposição negra ao nome do famoso gladiador da Trácia… Toussaint não pode ser classificado como ou reduzido a uma versão negra, com todas as conotações redutoras que isso implica no pensamento ocidental.

Hazareesingh não é hagiógrafo, mas sua descrição de Louverture como o “Spartacus Negro”, no entanto, revela certas suposições que moldam seu relato. Primeiro, o foco em um indivíduo desvia a atenção da crescente tendência de escrever a história da revolução a partir de baixo. C. L. R. James explorou esta perspectiva em suas palestras de 1971 no Institute of the Black World em Atlanta, e isso é evidente no trabalho subsequente de Carolyn Fick.

Historiadores haitianos modernos, como Jean Casimir, também adotaram esta abordagem – o livro de Casimir Os Haitianos: Uma História Decolonial apareceu recentemente em uma tradução em inglês. Houve histórias mais inclusivas, incluindo o projeto Fanm Rebèl de Nicole Wilson, que descobriu as contribuições das mulheres, e um compromisso crescente para reconhecer as perspectivas haitianas sobre a historiografia do país. A nova tradução de Michel-Rolph Trouillot do relato da revolução do crioulo haitiano Michel-Rolph Trouillot, Stirring the Pot of Haitian History, tem encorajado esta tendência.

Em segundo lugar, enquanto Dessalines desempenha um papel no relato de Hazareesingh, ele ainda é eclipsado por Louverture, muitas vezes visto como o líder mais traduzível, domesticável e finalmente aceitável da revolução para o público ocidental. Esta negligência das outras figuras revolucionárias pode, no entanto, ser corrigida em breve. Uma biografia de Dessalines de Julia Gaffield e duas biografias de Henri Christophe de Paul Clammer e Marlene Daut deverão aparecer em um futuro próximo.

Um exercício em recuperação

Black Spartacus reúne uma excepcional variedade de material para oferecer o que será por algum tempo a vida definitiva em inglês da Louverture. Argumenta-se que o estudo de Hazareesingh mostra uma real sensibilidade à linguagem e ao poder do crioulo como veículo de resistência. Black Spartacus também se concentra cuidadosamente na religiosidade de Louverture e no valor que ele atribuía aos laços familiares, explorando suas implicações para sua vida posterior.

Em muitos aspectos, a abordagem de Hazareesingh é um exercício de recuperação. Ele recorre às ricas fontes de arquivos franceses, de Paris e das regiões, e ao material espanhol anteriormente subexplorado. Há também material novo dos Arquivos Nacionais do Reino Unido em Kew, um lembrete de que a Revolução Haitiana, apesar de seu repúdio sistemático em nossa história nacional, é um elemento importante do passado britânico. O livro também se baseia inteligentemente na correspondência de Louverture, não apenas como material de origem historiográfica, mas também como uma forma de entender a psique de seu autor e as várias contradições com que ele se debateu ao longo de sua vida.

Outra dimensão original é o foco na localidade. Black Spartacus contém uma surpreendente micro-história, que se baseia em fontes dos arquivos ultramarinos franceses, que considera como as ideias de Louverture foram recebidas e traduzidas em prática no Haiti. Hazareesingh toma o município de Môle Saint-Nicolas como um estudo de caso, demonstrando como um sistema de poder combinando princípios republicanos, católicos e crioulos foi firmemente fundamentado nas comunidades locais, criando uma infraestrutura projetada para reconstruir Saint-Domingue pós-revolucionária.

Tal análise fornece evidências do que é visto como a qualidade central de Louverture, “a audácia de visualizar um mundo organizado em torno de princípios radicalmente diferentes”. O foco sustentado em Black Spartacus nos anos intermediários cruciais da liderança de Louverture mostra que ele não procurou, como sugere Girard, consolidar sua riqueza e poder pessoal, mas sim proteger os ganhos da revolução contra aqueles que os teriam derrubado.

A principal realização de Hazaraeesingh é ter feito desta história uma narrativa que fala diretamente sobre os desafios do século XXI. Como o próprio autor a coloca:

“A luta de Louverturian continua sendo uma fonte vital de inspiração intelectual e renovação gradual – especialmente na era atual do populismo – e serve como um lembrete de que as injustiças globais de hoje, dentro e através das sociedades, têm profundas raízes históricas.”

Sobre os autores

CHARLES FORSDICK

é professor de francês na Universidade de Liverpool e coautor de Toussaint Louverture: A Black Jacobin in the Age of Revolutions (Pluto Press, 2017).

Fonte

Please follow and like us:

Share this post

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.